domingo, 23 de março de 2014

DIREITO DE RESPOSTA

Enviado por leitor devidamente identificado perante o administrador.
 «A minha resposta a este comentário, só a dou porque se me afigura, que pode ser útil no sentido de que sei, que há poetas, com aptidão e descuidam por vezes o zelo na composição das poesias. Penso eu, que o Alandroal merece, que não descuremos a fama que ao longo do tempo, conseguiu criar, de ter por cá poetas que fazem boa poesia popular.
Acho que devemos zelar por que continuemos a merecê-la, de corpo inteiro, levando isto a sério.
Sinto um certo constrangimento por não assinar, mas, estou a responder  a um anónimo… Devo dizer que o Xico Manel sabe quem sou.»


Anónimo disse...
É pena que estes comentários não estejam mais visíveis, pois assim já não serão conhecidos por uma grande parte dos visitantes.
Esperemos que o comentador a quem foi solicitada resposta, o consiga fazer. Se assim não for é porque não é capaz.
21 Março, 2014 15:13

----------------------------------------------------------------------------------
Resposta a este comentário.
Meu bom amigo, só hoje por acaso dei com o seu comentário…
Venho responder-lhe, não porque tenha qualquer mania de superioridade, mas sim, porque me “foi solicitada resposta” por si.
Aqui vai a justificação do que eu tinha afirmado: 9 erros.

“parte” não rima com “tomate”
Nem “deste” nem  “baste” rimam com “azeite”
Nem “acertada” nem “confeccionada” rimam com “preceito”
“soneto” não rima com “condimentada”
Temos aqui 6 erros na rima.
A palavra “Alandroal” foi usada 2 vezes.
Temos 1 erro no uso indevido da palavra “Alandroal”.
Temos mais 2 erros por a 4ª décima desrespeitar a sequência da rima 2 vezes nos primeiros 5 pontos. Repare que a sequência da rima das outras décimas está certa.
Aqui segue a 4ª décima, emendada, para o amigo perceber que sou ”capaz” e que sei do que estava a falar.
Veja como aproveitei 2 pontos da décima original e os coloquei no sítio certo.
A primeira décima é a original. A segunda é a emendada por mim.

Caldeta feita a preceito ------------------- Caldeta feita a preceito
Deve ser bem condimentada, ------------ Obedece a métrica acertada.
Assim também um soneto --------------- Deve ser bem condimentada
Obedece a métrica acertada. -------------Para surtir bom efeito!...
Pelas gentes confeccionada --------------Um prato, mais que perfeito,
De sabor único, tão especial,------------- De sabor único, tão especial…
É no concelho do Alandroal ------------- É da cozinha regional,
Muito apreciada esta iguaria… --------- Muito apreciada, esta iguaria!
Com tal requinte e sabedoria ------------ Com tal requinte e sabedoria,
Não encontra outra igual!! --------------- Não encontra outra igual!!

Clic no link em baixo se quiser ver as décimas em apreço:
http://alandroal.blogspot.pt/search?updated-max=2014-03-19T16:19:00Z

Saudações Poéticas para si e para o meu amigo “Matias José”.

22 comentários:

Anónimo disse...


A sua resposta também se devia dirigir ao comentador do dia 21 de Março das 11:30, dado tratar-se de pessoas diferentes... e parecer-me ser também uma pessoa entendida na matéria e ser o primeiro que levantou a questão.
Saudações

Anónimo disse...

Ao anónimo de 23 Março, 2014 18:24.

Meu caro, a minha resposta não tem um alvo especial. Serve para todos os que de boa fé estejam interessados na poesia popular, que neste concelho tem uma raiz, que deu origem a uma tradição, à qual, pretendemos dar continuidade.
Penso porém, que a continuidade sustentável da fama que adquirimos, tem que ter um suporte de verdade, e não fabricado à custa de marketing pessoal ou político.
A poesia é uma das componentes da cultura dos povos, espelho de sentimentos de verdade, e só assim tem sobrevivido.
É assim que eu a entendo, que eu a interiorizo e a discuto.
Sempre de forma construtiva, e com interlocutores interessados na divulgação e desenvolvimento, desta rica faceta da nossa cultura.

Anónimo disse...

Já corrigidas no Poet'anarquista...

MOTE
(Desconheço Autor)

Caldeta de peixe do rio
Na V mostra do Alandroal
Feita por gente com brio
Não encontra outra igual

***

Glosas


Barbo fresco na cozinha…
Poejos da ribeira e tomate,
O alho também faz parte
E meia cebola cortadinha.
Miolo de pão ou farinha
Um decilitro d’azeite de fio,
A pimenta, se assim decidiu
Mais as sopas de pão duro…
Chamam a este sabor puro
Caldeta de peixe do rio.


Num tacho junta-se o azeite
E os temperos, tudo bem pisado,
O peixe previamente arranjado
E a cebola, por cima deite;
Tomate moído nunca enjeite...
Miolo ou farinha da nacional,
Cobrir d’água fria natural
E ferver em lume brando ao fogão,
Servir quente com sopas de pão
Na V mostra do Alandroal.


De diversas formas a arte
Manifesta-se dentro da gente,
Preparar a sopa sabiamente
No Alentejo um caso aparte!
Se vens de visita desejar-te
Uma boa caldeta à beira-rio,
De todas a que mais aprecio
Com peixe acabado de pescar...
Eis a arte de bem cozinhar
Feita por gente com brio!


Deve ser bem temperada
Uma caldeta com preceito,
Da mesma forma um soneto
Obedece a métrica acertada.
Pelas gentes confeccionada
De sabor único, tão especial,
É neste cantinho de Portugal
Muito apreciada esta iguaria…
Com tal requinte e sabedoria
Não encontra outra igual!!

Matias José

Não alterei «tomate» e «parte»... soa-me bem.

Construo décimas à quatro anos a esta parte; não fiz muitas, creio que talvez uma dezena delas ou pouco mais. Fui verificar, e para meu espanto só tenho duas «furadas». Foi mesmo ao calhas... desconhecia a regra que não permite a repetição da palavra para rimar, no fim de cada verso da décima ou décimas populares.

Um abraço para o amigo poeta que esclareceu com oportunidade este assunto.

Quem sabe um dia pudemos falar sobre este assunto de viva voz...

Anónimo disse...


Ainda não me tinha pronunciado sobre este assunto, mas não resisto a fazêlo:

Que Matias José não fez parte dos premiados e o motivo, já todos sabemos, mas parece-me que nos estamos a desviar do assunto principal:

LAPSOS DO JÚRI NAS CLASSIFICAÇÕES ATRIBUIDAS A ALGUNS CONCORRENTES PREMIADOS...

Como se resolve este assunto?





Anónimo disse...

POESIA ALENTEJANA - Poesia dos 40 pontos (versos)
Obedece à estrutura de uma quadra (mote) seguida de uma glosa em 4 décimas (em redondilha maior - Redondilha maior ou heptassílabo: 7 sílabas. Se | nho | ra, | par | tem | tão | tris | (tes).
Cada glosa (estrofe) tem 10 versos de 7 silabas (redondilhas maiores)
E obedece à estrutura rítmica - ABBAACCDDC)
Cada estrofe termina com um dos versos do mote.

Anónimo disse...

Fui ver o livro "Alegrias, Mágoas e Mangações" e encontrei bastantes décimas furadas, bem como palavras que não têm a última sílaba igual mas que rimam na sua entoação. Dei-me ao trabalho de procurar décimas de grandes poetas como é o caso de António Aleixo e alguns bons poetas populares brasileiros, e deparei com a mesma situação. Era bom que para a próxima quem organiza deixe claro as regras da poesia popular. Aproveito para dar os parabéns ao Matias José, as suas décimas estão muito bonitas.

Anónimo disse...

"Matias José" disse:
"Quem sabe um dia pudemos falar sobre este assunto de viva voz..."
É claro que podemos, se essa é a sua vontade. Falar como poetas companheiros, não com professor. Não tenho esse estatuto nem estou interessado em tal.
Vejo que com um pouco mais de aplicação, pode ser uma mais valia, para que continuemos a trabalhar para a divulgação deste tipo de poesia, que é nossa, e ajudar a mantê-la no lugar de destaque que merece.
Leia com atenção o comentário de: 24 Março, 2014 12:38. Deve até guardá-lo. Está lá quase tudo o que precisa saber... No que diz respeito à métrica, apenas falta dizer que as sílabas mudas não contam.
Reparo que na emenda que fez continua a deixar a 4ª décima furada. Observe que na emenda que fiz à sua 4ª décima eliminei a palavra Alandroal.
Você escreveu: "É neste cantinho de Portugal"
Eu escrevi: "É da cozinha regional".
Esta é a última vez que intervenho publicamente sobre a sua obra.

Saudações poéticas!

Anónimo disse...

Temos que perceber que em toda a parte o Júri é soberano e não vai deixar de o ser no Alandroal.
Quem somos nós para podermos alterar as regras que para todos servem?
É provável que o Júri tenha sido um pouco condescendente... talvez para conseguir arranjar os 6 premiados.
Não sei ainda não li as décimas que não foram publicadas. Só depois disso se poderá fazer uma melhor avaliação.
Porém sei que a única alternativa que nos resta é a denúncia desta situação para que não volte a repetir-se.
Isto que está aqui a acontecer já aconteceu no Concurso da Festa do Vinha e do Vinho em Borba. Os poetas insurgiram-se contra a classificação desse 1º prémio. Não houve desclassificação. Mas a seguir o Júri teve que emendar esse procedimento contra as regras em vigor.

Anónimo disse...


Continuam a desviar-se do assunto principal...

O caso da Poesia de MATIAS JOSÉ, já está mais que esgotado !

Vamos ao que interessa.

LAPSOS DOS JURADOS NAS AVALIAÇÕES DADAS A ALGUNS CONCORRENTES PREMIADOS ...

l.º Não se sabe se os lapsos são só estes, dado que continuamos a não conhecer todas as Obras dos Concorrentes.

2º O Júri tem que alterar algumas regras do Concurso, como por exemplo ser obrigatório a publicação da totalidade das mesmas.

3.º O Júri não deveria ser "Anónimo", ou se o fosse, seria só no período de perigo de "assédio", a partir daí acabava-se o "Anonimato".

4.º Todas as Normas e
Regras deverão ser devidamente especificadas aquando da abertura do concurso, para que não haja lugar a dúvidas.

Claro que para isto acontecer, o Júri terá que procurar reunir todos os requisitos necessários para um bom desempenho desta função.





Camões disse...

Não vejo onde a 4ª décima continue a estar «furada».

A palavra Alandroal foi substituída por Portugal.

Pode o amigo poeta de 24 Março, 2014 13:40 explicar onde está o erro?

Fico grato...

A bem da poesia!

Anónimo disse...


Seria interessante consultar-se
"Grito de Solidão", sobre Poesia
Popular, inclusivamente lerem-se
Décimas e a opinião da Poetisa D.
Antónia Carvalho..., para além de
todos os outros, claro.
Também aqui é mencionado "Mágoas e
Mangações".

Anónimo disse...

Eu disse que para mim o assunto estava encerrado, mas tive que abrir uma exceção...
Peço desculpa pelo lapso da minha parte. É assim, quando estamos a fazer qualquer coisa e estamos a ser interrompidos continuamente, como me aconteceu, dá nisto.

Desculpe lá então. Não houve má intenção. Como pode verificar até no meu comentário escrevi "Portugal". É aborrecido... mas acontece.
Isto prova bem o quanto somos vulneráveis, e é por isso que não gosto de me armar em professor... de nada.

Saudações poéticas.

Camões disse...

«AMIZADE POÉTICA»

Não tem que pedir desculpa!...
Acontece até aos melhores
Às vezes momentos piores,
Sem que disso tenham culpa.
Quando a cabeça se ocupa
E o pensar é interrompido,
Pode dar-se por perdido
Muito tempo a magicar...
Não me estou a desculpar,
O assunto está resolvido!!

Matias José

Anónimo disse...

Olha! Por esta não esperava eu...
Então, lá vai!

"O assunto está resolvido!!"
E resolvido a bom gosto.
Mau seria o oposto...
Noto que não está ofendido!
Eu fico-lhe agradecido
E pela sua bondade,
Dou-lhe a minha amizade
E se a quiser receber,
Eu dá-me um grande prazer
Ter amigos de verdade!

Boa noite e obrigado.

Camões disse...

Peço autorização ao poeta para colocar a décima no Poet'anarquista, na publicação de hoje com o título: «A POESIA POPULAR, POR JRGASPAR».

Tenho lá também a décima que escrevi ao amigo, e penso que a sua assenta por baixo que nem luva.

Já agora, utiliza algum pseudónimo?... é só para a décima não ficar incógnita.

Obrigado, a resposta foi à altura!

Anónimo disse...


Consultei "Grito de Solidão" e considero muito importante que se leia,sobretudo a opinião dum ESTUDIOSO NA MATÉRIA, PROFESSOR DA LÍNGUA PORTUGUESA, JOSÉ RABAÇA GASPAR !...
Temos que nos documentar...

Anónimo disse...

Nunca supus que os meus versos
Merecessem tais distinções...
Assino: Versos Diversos
...Em certas ocasiões!

Boa tarde e obrigado pela atenção.

Camões disse...

ÁTOMOS DO COSMOS

Somos simplesmente átomos do cosmos,
Pequenas partículas num espaço infinito…
Eis pois, caro amigo, tudo o que somos,
Que não é pouco no meio de tudo isto!

Matias José

Agradeço!... (com outra forma de poesia).

PS- A publicação já se encontra no Poet'anarquista.

Anónimo disse...

Muito bonito e profundo esse poema, Matias José. O diálogo entre os dois poetas merecia honras de 1ª página.

Obrigado a ambos!

xpto disse...

Merecia sim senhor. Só o não é porque Matias José administra um blogue «Poeta Anarquista» e cabe-lhe a ele (se assim o entender) divulgar este belíssimo diálogo.
Obrigado pelo comentário/sugestão
Chico Manuel

Camões disse...

Chico Manel: penso que já por mais que uma vez falámos sobre a partilha dos nossos espaços e respectivas publicações.

Como sabes, continuo a ser colaborador do Altejo (com muita honra), embora ultimamente menos assíduo. Mas não é por este motivo que deixo de visitar a tua página, que merecidamente muito reconhecimento ganhou nas gentes da nossa terra. É uma questão de tempo, o tempo que ocupa publicar diariamente como tu bem sabes.

A amizade que nos une ao longo de anos, é por si só motivo mais que suficiente para partilharmos tudo o que de bom existe. Acho que não preciso dizer mais nada...

Um pequeno aparte... agora somos vizinhos de hortejo do outro lado da estrada... talvez tenhas algumas sementes para troca, quem sabe?!

Um abraço de quem muito te considera!

xpto disse...

Obrigado Cabé pela tua amizade.
Sabe bem ter amigos como tu.
Havemos de nos encontrar nas hortas e compartilhar as produções.
Vou guardar o conteúdo da "troca de comentários" e lá mais para a frente, postar esta saudável troca de impressões.
Um abraço
Chico