domingo, 25 de janeiro de 2015

OS NOSSOS POETAS

                                                                 

                                                                           HELDER SALGADO



Em dezassete d e Janeiro de 2015, quado apagava as mil e quatrocentas mensagens, que me tornavam o computador lento, dei com esta quadra da Ausenda Ribeiro. Fora um comentário ao “ O MEU BATEL” publicado no Al Tejo em 07-02-2013.
Não li na altura o comentário.
A sua leitura provocou estes versos que gostaria, como partilha, que fossem presentes à Ausenda.

                                                 POEMA PARTILHADO

                             Nem sempre a vida é cruel
                              Um poeta apaixonado
                              Mesmo em barco de papel
                              Pode achar o ser amado.

                                                    Com esta quadra fui dar
                                                    Mesmo sem a procurar
                                                    Da amiga Ausenda Ribeiro
                                                    De dezasseis de Fevereiro
                                                    Do ano de 2013
                                                    E a distância por vezes
                                                    É deveras salutar
                                                    Sem querer comecei a rimar
                                                    No meu barco de papel
                                          Nem sempre a vida é cruel.

                                                    Em nenhum porto embarquei
                                                    No mar que te inventei
                                                    Em paraíso sonhado
                                                    Sem ter ninguém a meu lado
                                                    Sigo triste e já cansado
                                                    Numa noite de luar
                                                    E sem saber navegar
                                                    O meu batel conduzi
                                                    Pensando ser para ti
                                             Um poeta apaixonado

                                                     Não te vi no horizonte
                                                     Do meu olhar uma fonte
                                                     Que não seca o esquecimento
                                                     Navego a qualquer momento
                                                     No mais revoltado mar
                                                     Com vento forte a soprar
                                                     Nas velas da ilusão
                                                     Corre em tua direção
                                                     O mais fogoso corcel
                                        Mesmo em barco de papel

                                                        Não sei por onde navego
                                                        Perdido já estou do Tejo
                                                        E do mundo já esquecido
                                                         Ruma o meu barco perdido
                                                         A cumprir o triste fado
                                                         Do meu cante amargurado
                                                         Neste poema cantado
                                                         Mesmo com água revolta
                                                          Navegando à rédea solta
                                          Pode achar o ser amado.

Helder Salgado
17-01-2015


                                                 
                                                        E AS SÁTIRAS DO POETA




                                                            «ASSIM NOS TRATAM DA SAÚDE...»

                                                                        Nós não somos visitas
                                                                        Nem tão pouco a ama,
                                                                        O ataúde é a tua cama...
                                                                        Morre, deixa-te de fitas!

POETA




 





RESULTADOS DESPORTIVOS DO FIM-DE-SEMANA

                                                  INATEL 

                                                    Distrital de Évora – Série B  - 2ª Fase

                                                          Sabugueiro 0 – Estrela de Pardais 0 
                                                          Alandroal United – Monsaraz - adiado (falecimento Director Monsaraz)

                                                                  Taça Amizade – Série C

                                                                Mina do Bugalho  1 – Pedrense 1
                                                                Mouranense 2 – S. Bento Ameixial 1

                                                                 ASSOCIAÇÃO DE ÉVORA


                                                                         1ª Divisão A.F.E.

                                                                           Montoito 3 – Aguiar 1
                                                                           V. Novas 2 – Giesteira 0
                                                                           Juventude B 7 – S. Romão 0.

PORQUE HOJE É DOMINGO

DIVULGAÇÃO

O Município de Redondo vem por este meio agradecer o interesse pelas atividades culturais. Aproveitamos a oportunidade para enviar a Agenda Cultural do 1º trimestre de 2015.
Com os melhores cumprimentos


Salomé Oliveira
Gabinete de Informação do Município de Redondo
Centro Cultural de Redondo

Algumas páginas da Agenda Cultural

 Al Tejo agradece a deferência e congratula-se pelo reconhecimento.


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

PARA ESTE FIM-DE-SEMANA O AL TEJO SUGERE

                                               ALANDROAL






Poster do filme Os Pinguins de Madagascar Pinguins de Madagáscar 3D – 25 de janeiro  17h  Fórum Cultural Transfronteiriço de Alandroal

Realização: Eric Darnell, Simon J.Smith
Vozes: Annet Mahendru, Anselmo Ralph, Benedict Cumberbatch, Bruno Ferreira, Carlos Macedo, John Malkovich, Jorge Mourato, Ken Jeong, Peter Stormare, Rui Paulo, Tom McGrath
Género: Animação
Classificação: M/6
Duração: 92 min.

Bilhete: 3.50€ (Menores de 12 anos ou portadores de cartão jovem munícipe 2.65€)

Equipas de super espiões não nascem assim... são chocados. Descobre os segredos das mais espetaculares e mais hilariantes aves secretas da espionagem mundial: Capitão, Kowalski, Rico e Soldado. Estes top da elite irão unir forças com uma organização de intervenção secreta - Vento do Norte - que protege os animais. Liderados pelo engraçado Agente Secreto (poderíamos dizer o nome dele, mas depois... tu sabes), com a voz de Benedict Cumberbatch. Juntos, eles têm de evitar que o vilão Dr. Octavius ??Brine, dobrado por John Malkovich, destrua o mundo como nós o conhecemos.

                                                             JUROMENHA


                                                                MONTEMOR



                                                                    ÉVORA



                                                          OUTRAS LOCALIDADES


ORGULHO DE SER ALENTEJANO

Visitar o Alentejo, em Portugal, é a oportunidade de colocar um brilho a mais em seu roteiro na Europa. Mas não é qualquer brilho. É simplesmente a beleza do céu mais bonito do mundo. A Unesco e a Organização Mundial de Turismo certificaram algumas cidades ao redor do mundo com um Starlight Tourism Destination, indicando as melhores vistas noturnas do planeta, e o Alentejo, repleto de estrelas cadentes, foi o primeiro destino indicado. 

Não é só de céu, porém, que o Alentejo se destaca. Na parte do dia, a região apresenta paisagens naturais estonteantes, além de ser um local riquíssimo em história. As belezas e sabores do Alentejo proporcionam atividades tão especiais que os moradores locais garantem: quem visita a região pela primeira vez pode sentir alguns problemas de escolha.


O AL TEJO GOSTA QUE ESTEJA BEM INFORMADO V - ABASTECIMENTO DE ÁGUAS – TOMADA DE POSIÇÃO

Todos os dados apresentados foram recolhidos do Blogue: http://transparencialandroal.blogspot.pt/
E debatidos na última Assembleia Municipal.


PÁGINA DESPORTIVA

Distrital de Évora – Série B  - 2ªSérie
Sabugueiro – Estrela de Pardais – 24/01
Alandroal United – Monsaraz – 25/01.

Taça Amizade – Série C
Mina do Bugalho – Pedrense – 24/01
Mouranense – S. Bento Ameixial – 24/01

1ª Divisão A.F.E.
Montoito – Aguiar
V. Novas – Giesteira
Juventude B – S. Romão.



FUTSAL

II Divisão Nacional – Série F

Operário Lagoa – U. Montemor.

RUGBY

Nacional - Divisão de Honra
RC Montemor - CDUL

AINDA





TOME NOTA:


IMPRENSA REGIONAL DE HOJE



CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA DIANA/FM


Sexta, 23 Janeiro 2015 09:10
As regiões do país apresentam grandes desequilíbrios, os quais resultam das mais diversas razões, encontram-se na economia, na população, no território, etc.
Todos os problemas que estão na génese das assimetrias regionais já terão sido identificados, importa pois é conseguir aplicar medidas eficazes para a redução ou eliminação daquelas assimetrias.
Sabemos bem que o país tem uma tradição da centralização administrativa. Tem sido essa a forma como o Estado tem funcionado.
Mas, naturalmente, são os vários agentes regionais que melhor conseguem interpretar os problemas regionais e, porventura, conseguir as melhores respostas para a sua solução.
Uma administração pública de proximidade passa necessariamente pela existência de serviços públicos desconcentrados que tenham capacidade de intervir.
É fundamental a presença da Administração no território, que seja o garante da execução das políticas públicas. A recetividade às medidas tem muito a ver como elas chegam aos seus destinatários.
Neste contexto, a administração pública periférica é um elo insubstituível no funcionamento da administração.
As várias reorganizações produzidas na Administração pelos diversos programas e planos terão que fazer resultar uma administração mais eficiente.
Contudo, é essencial que exista a noção que a administração necessita de uma constante modernização e de iniciar o seu rejuvenescimento de pessoal. É algo que tem que ser paralelo ao esforço de redução e reorganização da administração.
É que uma administração dimensionada em razão da sua necessidade será uma administração mais respeitada, e que terá condições para cumprir o seu papel enquanto elemento fundamental no desenvolvimento do país.
Até para a semana
Rui Mendes


ISTO SIM ...É QUE É VERDADEIRA PORNOGRAFIA ! ATÉ CHOCA!....

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

CADA VEZ MAIS CONFUSA A SITAÇÃO FINANCEIRA DA C.M.A.

PARA COMPROVAR O TÍTULO DESTA POSTAGEM CLIK AQUI . LEIA E OIÇA A REPORTAGEM DA RÁDIO CAMPANÁRIO.

DUQUES E CENAS - Rubrica de J.L.N.

                                 Não sou Charlie



Deixar passar em claro a oportunidade de escrever sobre o assunto mais comentado da actualidade é ignorar o óbvio e desiludir os meus 10 leitores. Portanto, aqui vai.
Condeno sem reservas o ataque obsceno à redacção da Charlie Hebdo, uma revista satírica francesa que fazia (e vai continuar a fazer) as delícias dos seus leitores, com caricaturas fortes, sobretudo de personalidades ou entidades ligadas à religião. Apesar deste meu propósito, não sou o tal Charlie. Assumindo esse facto, tal como milhões assumiram o contrário, escrevi numa rede social “Je ne suis pas Charlie”, contrariando o slogan com que o mundo acordou pouco depois do atentado. Escrevi e logo escreveram a seguir o que lhes ia na alma, tornando o meu Mural num verdadeiro atentado à minha própria liberdade de expressão.
Por aqui se vê que é profundamente difícil discutir esta temática sem tentar perceber primeiro até onde pode ir o limite do humor e da liberdade, qual a delimitação da fronteira em relação à caricatura mordaz e violenta, e até se é possível usar de bom senso antes de se publicar seja o que for. Pois é, dirão muitos, o bom senso é uma cerca mascarada contruída à volta do nosso cérebro e onde se fecha a cadeado a democracia, a liberdade de expressão e a criatividade. Proceder a uma auto-censura prévia em relação ao que publicar é aceitar, irrevogavelmente, a limitação da nossa própria existência como seres pensantes e cidadãos do mundo.
Mas quem pode ser melhor ou maior cidadão do mundo? Não é, tenho a certeza, quem carrega cartazes e frases nas camisolas e na testa a dizer “Je suis Charlie” até à exaustão e a roçar o vulgar. Também não será aquele que, no cantinho do seu sofá, este já moldado ao corpo pela habituação, ignora a ameaça gigante que se repetiu recentemente, a meia dúzia de quilómetros da nossa casa, e cuja primeira versão aconteceu em Nova Iorque, no dia 11 de Setembro de 2001. Deixar que os nossos pensamentos sejam controlados por radicais, seja de que religião ou partido for, é um passo para a criação de uma sociedade totalitária, de terror e em guerra permanente. E não há religiões algumas que possam afirmar-se inocentes nesta matéria. Recordemos que noutros tempos, de igual infeliz memória, também a Igreja de Roma agiu de forma brutal contra quem pensava de outro modo. Também, mais recentemente no friso temporal, as notícias sobre Salazar eram sempre dadas no pretérito perfeito, à luz de uma certa religiosidade absurda: “No dia 2 de Outubro, sua Ex.ª, o Presidente do Conselho, ESTEVE na zona onde nasceu. Visitou a prima e a antiga empregada da casa...” (Este é um dos motivos por que lhe chamavam o “Esteves”). É que assim, com jornalistas domesticados a rigor, evitavam-se males maiores, como atentados, slogans despropositados ou manifestações espontâneas de desagravo a sua Ex.ª. Agir sem medo mas com a inteligência necessária para não cair no extremo oposto será, provavelmente, a uma única atitude possível.
Os que escrevem ou desenham em jornais sabem como é penoso, e contra a nossa natureza, teclar apenas o que os editores pretendem, de acordo com orientações governamentais ou determinados princípios religiosos ou morais. Quando, há uns bons anos, comecei a escrever na “Folha de Montemor” ou aqui, nesta coluna, ninguém me perguntou a cor da minha religião nem os temas que iriam ser alvos das minhas análises-mais-ou-menos-populares. Para entender a democracia e a liberdade não preciso de ser Charlie, nem de defender os ideais de um deus ou de um líder político. E é por isso que, ainda hoje, continuo a escrever. Porque não sou Charlie. Tenho ideias próprias e não gosto, não quero, não preciso que me mandem ser seja quem ou o que for.
….......................................................................
Então, como é? Quinze dias depois daquelas mortes injustas, bárbaras e inesquecíveis, continuam a ser todos Charlie? Ou já estão mais calminhos? É que os caricaturistas continuam a trabalhar e os islamistas estão atentos. Estes e outros radicais... que podem surgir de onde menos se espera. Mas nós, os ocidentais, só estaremos atentos (caso sobrevivamos) depois de uma bomba cair na nossa sala de estar, ao lado da chaise longue, a partir da qual enviamos mensagens e comentários incendiários para as redes sociais, sem, muitas vezes, ousar pôr o pé na rua. Mas esse gesto, caros leitores, também pode ser uma forma, não menos violenta, de terrorismo. Mas nunca deixem de escrever e de desenhar! Façam-no sempre! Mas assumam que tudo o que se escreve e desenha, para além de poder alertar para os problemas do nosso tempo, é capaz também de conduzir a consequências graves, resultado de gestos criminosos impossíveis de controlar.
….......................................................................
Já repararam, decerto, que o autor destas pobres linhas continua firme e irredutível a utilizar a grafia correcta da língua portuguesa. E porquê? Porque o dito acordo ortográfico é uma perfeita estupidez inventada por um bando de terroristas idiotas. Grupo ao qual jamais pertencerei. Nem com uma kalashnikov apontada. Je ne suis pas idiot!

João Luís Nabo
In "O Montemorense", Janeiro de 2015



ALDEIA DA VENDA REVIVE TRADIÇÃO

Matança tradicional do porco regressa à Aldeia da Venda

É já no próximo dia 31 de janeiro que Aldeia da Venda recria a matança do porco com o objetivo de reviver a tradição e não deixar cair no esquecimento uma prática centenária que em tempos fez parte de todas as casas alentejanas. Durante as últimas décadas a matança caiu em desuso e aqueles que, ainda assim, a continuam a praticar utilizam novos métodos e novas ferramentas, deixando para trás todo um saber artesanal de confeção.
Para que este conhecimento não se perca na história e passe às gerações vindouras, a autarquia organizou uma matança do porco, o mais fiel possível à matança original e vai fazer do dia 24 um dia de festa à semelhança do que sucedia na casa dos alandroalenses.
O dia começa bem cedo com a apanha do porco para cima da banca às 8 horas e culmina com a degustação do mesmo por volta das 13 horas, seguindo-se um momento musical com o Grupo Coral de Associação Gente Nova do Campinho, Grupo Tertúlia do Cante Alentejano de Évora, Grupo Trigueirão do Relheiro de Hortinhas e Grupo Coral dos Trabalhadores de Montoito. 
Durante o dia estará patente no recinto uma exposição e venda de produtos regionais.
Fonte: Site C.M.A.




TRANSCRIÇÃO DA HABITUAL CRONICA DE OPINIÃO DIARIAMENTE EMITIDA NA RÁDIO DIANA/FM

             As Palavras - Não são neutras
Há um discurso no ar que atravessa quase todas as actividades, reuniões, apresentações, foruns, propostas de protocolos.
Um discurso composto de palavras que têm a pretensão da universalidade, da neutralidade e da frieza da tecnocracia.
Passamos o tempo a ouvir falar em “hub’s”, “players”, “stackholders”, “core business” e outros termos em discursos produzidos supostamente em potuguês.
É uma espécie de cassete reproduzida por uma nova geração de velhos tecnocratas que pretendem demonstrar a neutralidade de uma linguagem supostamente técnica.
Em português, a substituição de palavras que todos entendemos e às quais damos conotações muito precisas e negativas tem feito exactamente o mesmo caminho.
Poderia aqui dar inúmeros exemplos de como através da mudança da llinguagem se reproduz a ideia de um mundo mais leve, limpo e supostamente ideologicamente neutro, mas vou apenas referir um que me deixou espantado.
Decorria o forum social promovido pela Câmara de Évora, quando foi feita uma apresentação de um estudo académico sobre as pessoas em situação de “insegurança alimentar”.
Pensarão provavelmente que se tratou de alguma análise sobre o prazo de validade de alimentos ou outros riscos associados. Nada disso. Falava-se de pessoas que se encontravam em situação de não conseguirem garantir a alimentação suficiente para si e para as suas famílias.
Poderiamos dizer que se falou de dados estatísticos sobre os que não têm meios para suprir as necessidades alimentares e estaríamos a reflectir o que se passou, mas ainda assim estaríamos a utilizar uma linguagem distante e sem qualquer carga emocional. Ou poderiamos usar um termo que todos compreendemos e, sendo apenas uma palavra, contém lá dentro um mundo inteiro negro e pesado.
De facto falou-se de fome. Como devem imaginar é diferente dizer-se que um determinado grupo está em “situação de insegurança alimentar severa” do que dizer-se que os indivíduos que compõem esse mesmo grupo passam fome.
Quando se fala em “situação de insegurança alimentar severa” a coisa parece menos grave, mais limpinha, cria a distância necessária para que as emoções fiquem de fora, em particular a raiva, a indignação, a vontade de destruir o mundo que atira para a fome milhões de pessoas, para que alguns não percam os seus privilégios.
Esta sociedade já tinha deixxado de poduzir pobres para passar a produzir “carenciados”, já tinha deixado de produzir “sem abrigo” para passar a produzir “cidadãos com necessidades quantitativas de habitação”, agora parece que os que passam fome são cidadãos em “situação de insegurança alimentar severa” e os que têm de recorrer à rede familiar para poderem ter uma refeição são cidadãos em “situação de insegurança alimentar moderada”.
É apenas uma questão de terminologia dirão alguns ingénuos. Não, não é. É a linguagem a produzir ideologia, a obrigar-nos a usar as suas válvulas de escape.
Mas bem podem dizer que a “economia de mercado” atira para a “situação de insegurança alimentar severa” os “colaboradores” colocados em situação de procura de “novas oportunidades de desenvolvimento profissional”, que haverá sempre quem use as palavras certas para dizer que o sistema capitalista, pela sua natureza, atira para a fome os trabalhadores que pagam as suas crises estruturais.
Até para a semana
Eduardo Luciano

CAPAS JORNAIS REGIONAIS HOJE NAS BANCAS




O AL TEJO GOSTA QUE ESTEJA BEM INFORMADO IV - PROCESSOS JUDICIAIS PENDENTES


PODE CONSULTAR RESTANTES PROCESSOS CLIKANDO AQUI

Extraído do Blogue : transparencialandroal.blogspot.pt