sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

DIREITO À OPINIÃO _ António Berbem

   A  Horta onde se anda à Chuva de Boca Aberta
I   -      A Horta
No Alentejo, como em todo o país, percebe-se com grande simplicidade que uma quinta tem sempre valores e áreas superiores às de uma horta. A horta ou o quintal estão mais virados para a criação de temperos tendo em conta o leque de açordas que temperam e vamos tendo à disposição.
As Quintas convencem e alargam o olhar. Quanto às açordas se, por exemplo, o pão não é bom é difícil tê-las por apetitosas. Os ingénuos no entanto acreditam em tudo para, em seguida, sofrerem as desilusões do costume. É um quase hábito politico e social!
A culpa, porém, não será tanto dos ingénuos. Será, isso sim, dos mentirosos. Assim como, também não será sequer dos renitentes que têm sempre uma pequena vantagem: procuram pensar duas vezes para não serem enganados três ou mais vezes.
Eis a questão e não haja ilusões que é o que vai existindo por cá, em abundância. O que vem detrás, o que está em preparação e o que vai suceder-se é uma golpada. Por mais que o uso desta palavra feia cause irritação e desqualifique o(s) partido(s) (na parte em que descuram o seu passado)  e quem as vai praticando.  
Como não precisamos de mencionar nomes, mas seríamos livres politicamente de o fazer, cada um que tire as ilações locais que entender, sem ser à moda “da falsa independência” que, os centro campistas, apresentam num jogo de matraquilhos.
 II -      As Patranhas
De eleição em eleição, de vez em quando, o povo (esse conceito cada vez mais vago) descobre com espanto que, na maior parte dos casos, e um tanto tardiamente uma grande parte dos políticos, senão a maior parte, defendem os próprios interesses e não o chamado “ e mítico” bem comum.
Num país pequeno, são cada vez mais frequentes os que apenas vivem da politica. É um bom emprego, não se ganha mal e garante continuidades e mordomias cúmplices.
Há dias, tivemos a lei do financiamento dos partidos (discordo da posição do Partido Socialista, da CDU e do Bloco de Esquerda). Antes tivemos o escândalo das subvenções vitalícias dos deputados.
Não sabemos (porque nunca o poderemos saber) se os políticos são todos iguais. Acreditamos que não o sejam. Todavia, a única coisa que sabemos é que, alguns, tanto a níveis nacional como local, simulam e disfarçam bastante mal essa diferença.
 Mal perdem lugares, a pretexto de servirem o dito povo, eles aí estão na calha para os reconquistar. Sem luto e sem expulsarem o seu próprio nojo.
Isto sem repararem que, por um dever do ofício, por inclinação e, outras vezes, por calculismo e incompetência, os políticos sempre mentiram. Uns mais outros menos. Faz parte da natureza.
A diferença, a grande diferença está em que até há uns tempos, a mentira implicava um certo esforço, alguma sofisticação e um esboço de enredo com qualidade. Não sendo assim, o país esse continua à mercê das  patranhas profissionais.
  Esperemos que isso aconteça cada vez menos. Antes que o povo venha a descobrir que foi novamente enganado e que pode ter de rectificar o seu voto e as suas escolhas. É o seu primeiro e ultimo direito constitucional.
Por outras palavras: é sempre triste sermos burlados por mentirosos. Mas é ainda mais ingrato,  sermos enganados por pequenos trastes e falsos príncipes sem grande talento.
Ou apenas com talentos por demais esperados e previsíveis!
III  -   A Corrupção
 Vamos dizer de uma forma bastante abreviada que a guerra e a corrupção são duas grandes doenças civilizacionais. Bastante antigas e sempre modernas na vida das comunidades. O Império Romano caiu por isso mesmo. Ninguém já fazia “a ponta de um corno” e todos queriam “put@s e vinho verde a jorros. Do imperador às suas mercenárias hostes militares.
A corrupção é, por conseguinte, um mal transnacional com incidências graves internacionais, nacionais ou locais. Estados há que são completamente corruptos e falhados. Autarquias também já não faltam.
Quanto a Portugal , o panorama não é dos melhores e a dita doença tende  a agravar-se cada vez mais. É preciso também reparar que quando um país é pequeno e frágil, as pessoas tendem, obviamente, a não crescer no plano da anti- corrupção, da ética e da moral.
 Por outro lado, é preciso acentuar que “o fenómeno da corrupção” exige sempre os dois polos: o corruptor e aquele que se deixa corromper. Tão corrupto é  o que corrompe quanto o que foi corrompido. Aqui parece-nos que não há mesmo outra saída sadia.
 Dito assim, o que se passou no Alandroal, era totalmente dispensável e não devia ter acontecido. Roma enquanto sede do Imperio tinha, aliás, uma regra que apesar de tudo procurava praticar: aceitava a corrupção mas não pagava a vereadores traidores. Está nos livros imperiais.
  Postas as coisas neste pé, apresentamos os nossos sentimentos a quem andou a enganar o eleitorado. A quem se deixou enganar. A quem promoveu e previu o engano. E a quem vai sofrer as consequências de um acto impolítico, comediante e sem raízes fundas na vida local.
Este tempo que poderia ser novo, começa a pedir-nos uma vez mais posturas sãs e vacinas novas. Venham elas!
 Saudações Democráticas
   Antonio Neves Berbem
( 19 de Janeiro de 2018)
Obs: "Os direitos de opinião" não vinculam de forma alguma o parecer do responsável pela colocação dos posts aqui divulgados. Aqui, cada um ,desde que devidamente identificado, é livre de emitir a sua opinião. O mesmo critério se aplica a comentários e contraditórios.


SUGESTÕES (Poucas... que o tempo não está para festas)

CINEMA ALANDROAL - 21 Janeiro 17,00H



DESPORTO FIM-DE-SEMANA

                                                                               FUTEBOL
                                                                                 INATEL
                                                              TAÇA FUNDAÇÃO  16ªs AVOS
                                                                        Afeiteira – Alandroal United
                                                                       Torre Coelheiros – Stº Amaro
                                                                                 Montoito – Foros
                                                                              Bardeiras – Pardais
                                                                      Pedrense – Foros Fonte Seca
                                                                              Barbus – S. Manços (adiado 09/2
                                                                       Graça Divor – S. Domingos
                                                                            Brotense – S. Romão
                                                              Campeonato Distrital
                                            Distrital Associação Futebol de Évora
                                                                    Divisão de Elite
                                                                               Portel – Corval
                                                                             Viana – Alcaçovas
                                                                            Cabrela – Perolivas
                                                                           Arcoense – Redondo
                                                                               União – Lusitano
                                                                         Canaviais – Monte Trigo
                                                                         Reguengos – Juventude.
                                                                           LIGA A.F.E.
                                                                      Cortiço – Santana do Campo
                                                                              Estremoz – Giesteira
                                                                              Calipolense – Aguiar
                                                                                Tourega – Outeiro
                                                                              Arraiolos – Bencatel.
                                                            CAMPEONATO DE PORTUGAL 
                                                                             Moura – Armacenense
                                                                         Pinhalnovense – Castrense
                                                                   Vendas Novas – Lusitano.V.R.S.A.
                                                                           AMIGÁVEL
                                                                               rugby 
                                                               Benfica - R.C. Montemor
                                                                                BTT 
                                                                            tênis



DIVULGAÇÃO - Cinema Montemor e freguesias


A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE PELA DIANA/FM

                                                                                                                 
                                                                                                                         RUI MENDES
                                                                  APENAS EXPECTATIVAS
A comunicação é a área que melhor funciona no Governo. Desde logo porque transmite a ideia que tudo corre sem problemas.
Mas são muitos os sinais que nos alertam para os muitos problemas que estamos atravessando.
Na saúde não são poucas as noticias que nos informam sobre o caos que se vive em alguns hospitais.
O descontentamento dos profissionais é visível e indicia que virão tempos de contestação.
Para um Governo que tanto fala em defesa do SNS é no mínimo pouco compreensível.
O problema criado pelo Governo no Infarmed mostra o desnorte em que estamos. E no meio desta confusão estão os trabalhadores do Infarmed que serão aqueles que, primeiramente, sofrem de uma decisão que certamente ninguém terá compreendido, até pela forma imprevisível como foi comunicada.
Mais uma vez, criado o problema, não existe resposta do executivo. Logo se verá a forma de o resolver.
Na educação ainda esta semana assistimos a um protesto causado pela inexistência de condições mínimas que permitam a Escola Secundária André de Gouveia de funcionar, tendo sido suspensas as actividades curriculares.
Em consequência o Governo disponibilizou, desde logo, uma verba para resolver alguns dos problemas identificados. Terá neste caso feito apenas um remendo.
O que não soube foi resolver o problema no seu devido tempo. E não foi por não ter sido suficientemente informado.
Aplicou-se a este problema a prática deste Governo, só reage quando é pressionado.
Igualmente na educação subsiste a descontentamento dos seus profissionais, em especial os professores, e persiste a falta de resposta do ministério.
Na justiça está tudo na mesma, não se nota qualquer melhoria. Apenas se apregoa um conjunto de medidas.
Também na justiça existe uma insatisfação dos seus profissionais e inexistência de diálogo com o ministério.
Em outras áreas governativas o que existe não será de todo diferente.
Este executivo criou expectativas. Mas nada mais do que expectativas. Razão pela qual o diálogo entre as estruturas representativas dos trabalhadores e os diferentes ministérios ou é difícil ou deixou de existir.
Ainda assim, quando existe, é sem resultados e de forma a não ser acusado que não está aberto ao diálogo.
Este é um Governo de gestão, focado nas eleições, não um Governo de reformas.
Até para a semana


quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

HÁ QUE MANTER A TRADIÇÃO...


IMPRENSA DA REGIÃO - HOJE


ÚLTIMA HORA

Uma fuga de gás na Escola Primária da Aldeia de Pias, no concelho de Alandroal, fez com que mais de 90 pessoas fossem evacuadas, ao início da tarde desta quinta-feira, 18 de janeiro. Para já desconhece-se o que provocou esta fuga de gás, certo é que não provocou vítimas, apenas motivou a evacuação de 80 alunos, 6 professores e 8 auxiliares desta escola por uma questão de precaução. O alerta foi dado cerca das 14h45, tendo acorrido ao local os Bombeiros Voluntários de Alandroal com 4 operacionais apoiados por dois veículos, a GNR e ainda a equipa da Proteção Civil Municipal.
Fonte Rádio Campanário

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

LOCAIS HISTÓRICOS DE VILA VIÇOSA – Por Tiago Salgueiro)

                                             O ANTIGO CONVENTO DE SÃO PAULO 
                                       Fábrica da SOFAL (Sociedade Fabril Alentejana)


Lugar de memórias distantes, o antigo Convento de São Paulo converteu-se numa unidade fabril na primeira metade do século XX. A SOFAL (Sociedade Fabril Alentejana) foi numa referência social e económica durante largas décadas. Quase uma “cidade industrial” no coração de Vila Viçosa! Hoje, o edifício é uma sombra do passado, mas com um enorme potencial por explorar. O regresso a esses dias de azáfamas e rotinas, por entre os cereais e o azeite, foi possível graças às descrições de Francisco José das Neves, que aqui passou 40 dos seus 93 anos de existência. Essa “antropologia” de vivências e de rotinas de trabalho deu, momentaneamente, nova vida à SOFAL! Os testemunhos foram detalhados e até comoventes… Um património que poderia ser a plataforma de imensos projetos culturais, de modo a promover a identidade local e a permitir o uso do antigo edifício. Os Eremitas de São Paulo da Serra de Ossa instalaram-se no Alto Alentejo a partir da segunda metade do século XIV, e em pouco mais de um século, entre 1366 e finais de Quatrocentos, instalaram na diocese de Évora mais de uma dezena de eremitérios. O ermitério de Vila Viçosa foi fundado em 1416, passando alguns anos mais tarde a convento regular. A partir de 1482, a congregação era já regida por um provincial. Cerca de um século mais tarde, em 1585, recebeu a designação de Nossa Senhora do Amparo, sendo já esta comunidade a fundar um novo convento, cuja igreja seria inaugurada em 1613.Após a extinção das ordens religiosas masculinas, em 1834, o edifício, totalmente espoliado do seu recheio, funcionou primeiro como teatro e depois como quartel, tendo ainda abrigado serviços municipais. Em 1921 foi vendido à SOFAL (Sociedade Fabril Alentejana), que aí instalou uma refinaria de azeite e uma moagem de farinha. Durante o seu período de laboração, a então denominada Fábrica de São Paulo tornou-se um marco importante na vila, dando emprego a muitos habitantes. Está hoje em dia devoluta, e em acentuado estado de degradação[1].


Nos idos anos 70 do século XX, a SOFAL começou a entrar numa lenta decadência. Ainda assim, fornecia a distribuição de energia elétrica às pedreiras e ao concelho de Vila Viçosa, funcionava como moagem de trigo e embalamento de farinhas, que eram distribuídas e comercializadas por todo o Alentejo; lagar e refinaria de azeites e óleos, com o posterior processo de engarrafamento. Tinha também anexas oficinas de serralharia mecânica, carpintaria e mecânica automóvel. Tinha também silos para armazenamento de cereais, que depois eram moídos. Recebia também azeitona proveniente de toda a região Alentejo. Segundo os antigos funcionários, foi das primeiras empresas do país a reformar os funcionários aos 55 anos[2]Recuperar essa memória industrial e conservar as estruturas originais que restam do antigo convento, poderia permitir a criação de um espaço museológico, com diversas valências. O edifício “fala” por si. Com a associação de histórias relacionadas com as atividades fabris, poderia ser criado um discurso expositivo que recuperasse os processos produtivos e o modo de funcionamento dos diferentes sectores. Este poderia ser um projeto inovador em termos locais e uma futura alavanca de desenvolvimento para o futuro, com base na reabilitação dos diferentes espaços. 

[1] Agradeço as informações à Emiliana Espada.  [2] Agradeço as informações prestadas pelo Sr. Hermínio Bilro, que em 1974 começou a trabalhar na SOFAL.


Tiago Salgueiro

A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA DIANA/FM

                                                                                                         
                                                                                                                 JOSÉ POLICARPO
                                                                 UMA SINA, UM FADO!
Será que é uma sina, um fado, deste país, que, em 2043 fará novecentos anos, desde da sua fundação, ter que viver intimamente com a tragédia? Ou são tragédias financeiras, ou são tragédias que resultam em perdas de vidas humanas e materiais, muito significativas. Com efeito, os dois grandes incêndios, de junho e de outubro, do ano que terminou, são exemplos de tragédias absolutamente marcantes, que beliscaram profundamente a auto estima coletiva, dado o número inexplicável de mortes verificadas.
Na verdade, a tragédia do último fim-de-semana ocorrida no concelho de Tondela veio avivar as tragédias do ano passado na memória coletiva dos portugueses. Porém, neste caso, alegadamente, as forças de segurança e proteção civil estiveram à altura das necessidades, evitando desse modo, mais mortes do que aquelas que sucederam, segundo as autoridades politicas que aí se deslocaram.
Outra coisa bem diferente, em minha opinião, foi o silêncio referente às causas das mortes, até ao momento, em número de oito. Embora os populares referissem que terá sido uma salamandra que deu causa ao incêndio e uma porta que liga a coletividade ao exterior, que ninguém a terá conseguido desimpedir pelo facto de abrir para o lado de dentro. O certo é que as pessoas que morreram não conseguiram sair do local.
Ora, talvez haja causas indiretas que determinaram as mortes verificadas e, que nos momentos seguintes ninguém terá referido, tanto os populares, como as autoridades que no próprio dia e no dia seguinte se deslocaram ao local da tragédia. Por isso, há perguntas às quais têm de ser dadas respostas cabais e claras sob pena de situações iguais possam vir a sucederem mais vezes.
Os países para se afirmarem neste mundo cada vez mais competitivo e global, necessitam que as suas populações sejam solidárias e disponíveis para ajudarem as vítimas de catástrofes. É uma verdade que o Senhor de La Palice não diria melhor… Contudo, um país que, a maioria das vezes, seja reativo, que só atue para remediar os problemas que surgem no seu quotidiano, não terá um futuro risonho, nem auspicioso.
Assim, só com educação, informação, prevenção, regulamentação e fiscalização, poderemos olhar enquanto comunidade politicamente organizada, para um futuro mais consentâneo com o dos países mais desenvolvidos, em que as tragédias são pontuais, e, não uma coisa, muito infelizmente, recorrente, como sendo uma fatalidade inelutável.

José Policarpo

POTENCIALIDADES - JUROMENHA

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

POETAS DA MINHA TERRA- Verdades Jeronimo Major


A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA DIANA/FM


Claudia Sousa Pereira
                                                        AS DIVAS

É inconcebível que o exercício comprovado de violência de um ser humano sobre outro não seja punível na sociedade civilizada contemporânea. Tratemos, pois, de começar por definir violência, porque, sim, as palavras importam, designam conceitos e são estes que nos permitem contarmo-nos a nós mesmos e vivermos numa comunidade que depende da comunicação estabelecida entre os indivíduos para se entenderem. Partamos de uma definição básica: “Violência significa usar a agressividade de forma intencional e excessiva para ameaçar ou cometer algum acto que resulte em acidente, morte ou trauma psicológico.” Prossigamos para um esclarecimento histórico: “A palavra violência deriva do Latim “violentia”, que significa “veemência, impetuosidade”. Mas, na sua origem, está relacionada com o termo “violação” (violare).” A violência pode começar por não ser intencional, mas a partir do momento em que esse acto aparentemente involuntário provoca vítimas, é porque é violento e, como tal, condenável. As leis prevêem isso. Assim, qualquer denúncia de alguém agredido, isto é vítima de violência, deve ser atendido pelas autoridades que se ocupam da ordem e, numa outra etapa, da justiça. Tem esta crónica de hoje como assunto o choque das Divas sobre o acossamento de que sobretudo mulheres, mas não só, são vítimas em casos de violência de cariz sexual: as que desfilam na passadeira vermelha em L.A. e as que pegam na pluma em Paris para trazer a luz ao resto do mundo. Ou pelo menos, tentar.
O assunto nasce agora para a discussão aberta que a contemporaneidade permite, mas a questão é velha como a espécie humana. E agora é o tempo em que toda a gente diz tudo onde bem lhe apetece, o que entope canais de informação, produzindo “engarrafamentos” que resultam muito mais do mirone ou de quem pasma perante uma ocorrência para apreciar e emitir uns palpites, do que quem quer pôr tudo a circular com a regularidade possível após o sucedido e prevenindo que semelhante caso possa vir a repetir-se. As Divas vieram pronunciar-se sobre o assédio sexual, de que muitas foram vítimas antes mas só agora ousaram falar e, não vejo como ignorá-lo, algumas até terão chegado a Divas por causa da não resistência, no passado que agora denunciam, à violência, má, sempre má, a que tiveram de se sujeitar.
Parece tarde, mas não é inútil. Antes pelo contrário, se discutida por quem sabe – saber feito de experiência própria ou próxima, sem extremos de puritanismo ou promiscuidade – pode mesmo representar a oportunidade para que alguma coisa mude, mesmo quando parece impossível parar a prática do assédio sexual na espécie humana. Talvez fosse é de se procurarem exemplos daquelas, e aqueles, que tendo resistido à violência não conseguiram o sucesso profissional, já que é disso que as Divas de preto em L.A. sobretudo falam. Já as Divas de Paris, parecendo defender o instinto mais básico e bestial do ser humano, usam um discurso para intelectualizar descuidadamente o assunto, infantilizando o agressor para não aumentar a vitimização da vítima, uma óbvia contradição, numa argumentação em que mostram o quão pouco importunadas sexualmente alguma vez aquelas mulheres foram, confundindo sedução com qualquer outro acto para quem não se predispôs à quebra de limites estabelecidos ou nem sequer procurou a intimidade em momento algum. Uma coisa é certa, num e noutro caso, um com respeito pela igualdade, outro com acento na desigualdade que a Natureza parece desculpar, isto é para ser tratado como um assunto que diz respeito a homens e mulheres, sem “caça às bruxas” e, perdoem-me o calão, não como uma “cena de gajas”. 
Até para a semana.

VÃO-SE LÁ ORGANIZANDO!